Sobre Produção Independente e o Uso Produtivo da Internet

Este e o fórum para discutir sobre webcomics e quadrinhos digitais, assim como todo os aspectos envolvendo a Internet e o mundo digital na produção e publicação das histórias em quadrinhos.

Sobre Produção Independente e o Uso Produtivo da Internet

Mensagempor cadusimoes » Dom Out 10, 2010 05:41

Este tópico fixo irá servir como uma complementação ao outro tópico fixo que eu criei Sobre Direito Autoral, Pirataria e Cultura Livre. Como eu disse naquele tópico, já é possível hoje viver, e bem, produzindo de forma independente, usando os diversos recursos que a Internet lhe dá. E aqui neste tópico irei lhes mostrar alguns desses modelos de produção.

Pra começar, posto este texto escrito por Kevin Kelly no qual ele mostra que não é preciso de milhões de fãs (no caso de nós quadrinistas, leitores) para que o autor possa se sustentar através da produção de sua obra. Cerca de mil já são o suficiente para isso, o que é uma meta muito mais fácil de ser alcançada.

O texto original vocês pode conferir neste link: http://www.kk.org/thetechnium/archives/ ... e_fans.php

A tradução do texto eu retirei daqui: http://ibrahimcesar.com/1000-fas-verdad ... vin-kelly/


----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

1000 Fãs Verdadeiros


A cauda longa é uma notória boa notícia para duas classes de pessoas; uns poucos sortudos agregadores, como a Amazon e Netflix, e 6 bilhões de consumidores. Desses dois, acho que os consumidores ganham a maior parte da recompensa nas riquezas escondidas em nichos infinitos.

Mas a cauda longa é decididamente uma benção duvidosa para os criadores. Artistas individuais, produtores, inventores e criadores estão superpopulados na equação. A cauda longa não aumenta as vendas dos criadores, mas adiciona competição massiva e uma pressão pela queda infinita nos preços. A menos que os artistas se tornem grandes agregadores de outros artistas, a cauda longa não oferece caminhos além da quieta calmaria das minúsculas vendas.

Além de tentar um hit avassalador, o que artistas podem fazer para escapar da cauda longa?

Uma solução é encontrar 1000 Fãs Verdadeiros. Enquanto alguns artistas devem descobrir este caminho sem o chamar assim, vale a pena tentar a formalização. A definição de 1000 Fãs Verdadeiros pode ser simplesmente colocada como:

Um criador, como um artista, músico, fotógrafo, performer, animador, designer, videomaker ou autor – em outras palavras, qualquer um produzindo trabalho de arte – precisa adquirir apenas 1000 Fãs Verdadeiros para ter seu sustento.

Um Fã Verdadeiro é definido como alguém que irá a adquirir toda e qualquer coisa que você produzir. Eles irão dirigir 300 quilometros para vê-lo cantar. Eles irão comprar o box super deluxe em alta definição re-lançado de seu material mesmo se já tiver a versão em baixa definição. Eles possuem um Google Alert para seu nome. Eles colocaram com favorito sua página no eBay onde você vende suas cópias impressas. Eles compram a camiseta, a caneca, o chapéu. Eles não conseguem esperar seu próximo trabalho. Eles são Fãs Verdadeiros.

Para elevar suas vendas acima da linha plana da cauda longa, você precisa conectar-se com seus Fãs Verdadeiros diretamente. Outra forma de estabelecer isso é, você precisa converter 1000 Fãs Menores em mil Fãs Verdadeiros.

Assuma conservadoramente que cada um dos seus Fãs Verdadeiros irá gastar um dia de seu salário anual suportando aquilo que você faz. Este “um-dia-de-salário” é uma média, pois é claro que seus Fãs Verdadeiros gastarão mais do que isso. Vamos assumir que com aquele per diem cada Fã Verdadeiro gaste $ 100 por ano. Se você tiver 1000 Fãs Verdadeiros, isso lhe dá uma soma de $ 100.000, o que, fora despesas modestas, é o suficiente para o sustento de muitas pessoas.

Mil é um número atíngivel. Você pode contar com 1000. Se ganhasse um fã ao dia, isso levaria apenas três anos. E o número de Fãs Verdadeiros é dobrável. Agradar um Fã Verdadeiro é prazeiroso e revigorante. Isso favorece o artista a permanecer sincero, a focar-se nos aspectos únicos de seu trabalho, as qualidades que os Fãs Verdadeiros apreciam.

O desafio principal é que você precisa manter contato direto com seus 1000 Fãs Verdadeiros. Eles estão lhe dando seu suporte diretamente. Talvez vão aos seus shows, ou estão comprando os DVDs em seu website, ou eles compram cópias de suas fotos. Tanto quanto possível, você retém o montante total de seu suporte. Você também se beneficia diretamente do feedback e amor.

As tecnologias de conexão e manufaturação rápida, fazem este círculo possível. Blogs e feed RSS liberam notícias, novas aparições ou trabalhos. Websites hospedam galerias de trabalhos passados, arquivos com informação biográfica e catálogos de parafernália. Criadores de disco, Blurb, lojas, MySpace, Facebook, e todo o domínio digital conspiram para fazer a duplicação e disseminação de quantidades pequenas de forma rápida, fácil e barata. Você não precisa de um milhão de fãs para justificar a produção de algo novo. Mil são suficientes.

Este pequeno círculo de fãs obstinados, que podem prover seu sustento, é cercado por círculos concêntricos de Fãs Menores. Estas pessoas não irão comprar tudo o que você faz, e podem nem procurar contato direto, mas eles irão consumir muito do que produz. O processo que você desenvolve para alimentar seus Fãs Verdadeiros, também irá nutrir Fãs Menores. Assim que você adquire novos Fãs Verdadeiros, você também pode adicionar mais Fãs Menores. Se você continuar desta forma, terminará tendo milhões de fãs e atingirá um hit. Não conheço qualquer criador que não esteja interessado em ter um milhão de fãs.

Mas, o ponto desta estratégia é dizer que você não precisa de um hit para sobreviver. O céu do caminho do meio é chamado de 1000 Fãs Verdadeiros.E é uma destinação alternativa para um artista buscar.

Jovens artistas começando neste mundo mediado digitalmente possuem outro caminho além do estrelato, um caminho feito possível pela mesma tecnologia que criou a cauda longa. Você não precisa tentar a pequena cabeça do domínio dos mais vendidos para escapar da cauda longa. Ao invés de tentar alcançar o difícil e alto nível dos hits de platina, arrasa-quarteirões, status de celebridades, essa tecnologia pode ajudá-lo no contato direto com os 1000 Fãs Verdadeiros. É uma destinação muito mais sã do que uma de fortuna. Você é circulado não pela paixão cega da moda passageira, mas por Fãs Verdadeiros. E você estará mais disposto a realmente chegar lá.

Algumas notas. Esta fórmula – mil Fãs Verdadeiros diretos – é adaptada para uma pessoa, o artista solo. O que acontece em um dueto, quarteto, ou equipe de cinema? Obviamente, você precisará de mais fãs. Mas os fãs adicionais que você irá precisar estão em proporção geométrica direta ao aumento do tamanho de seu grupo criativo. Em outras palavras, se você aumentar o tamanho do grupo em 33%, você irá precisar de apenas mais 33% de fãs. Este crescimento linear está em contraste com o crescimento exponencial pelo qual muitas coisas no domínio digital inflacionam. Eu não ficaria surpreso de descobrir que o valor de uma rede de Fãs Verdadeiros segue a mesmas regras das redes comuns, e aumenta pelo quadrado do número de membros. Assim, seus Fãs Verdadeiros conectam-se com aos outros, facilmente aumentando a sua média de gasto nos seus trabalhos. Então, enquanto o aumento do número de artistas envolvidos na criação, aumenta o número de Fãs Verdadeiros necessários, de forma calma e em proporção.

Uma precaução importante: nem todo artista é feito para, ou mesmo quer, ser um cultivador de fãs. Muitos artistas apenas querem tocar suas músicas, fotógrafos apenas querem tirar suas fotos, pintores pintar, e seus temperamentos não os permitem lidar com fãs, especialmente Fãs Verdadeiros. Para estes criativos, precisa-se da ajuda de um mediador, um agente, um gerente, um curador – alguém que lide com seus fãs. De qualquer forma, eles podem continuar precisando da mesma destinação dos 1000 Fãs Verdadeiros. Eles apenas trabalham em dueto.

Terceira distinção. Fãs diretos são melhores. O número de Fãs Verdadeiros necessários para o sustento indiretamente aumenta rápido, mas não infinitamente.Tome blogs como exemplo. Por causa do suporte de fãs para um blogueiro através de cliques em anúncios (exceto nas ocasionais doações), mais fãs são necessários para um blogueiro obter sustento. Mas, enquanto isto move a destinação para a esquerda na curva da cauda longa, continua muito longe do território dos arrasa-quarteirões. O mesmo é verdade em publicar um livro. Quando você tem corporações envolvidas em tomar a maioria do ganho por seu trabalho, então leva mais tempo para mais Fãs Verdadeiros suportarem-o. Depende do grau que um autor cultiva contato com seus/suas fãs, menor o número necessário.

Por último, o número real pode variar dependendo da mídia.Talvez seja 500 Fãs Verdadeiros para um pintor e 5000 Fãs Verdadeiros para um videomaker. Os números podem certamente variar ao redor do mundo. Mas, na verdade, o número real não é crítico, pois não pode ser determinado exceto por tentativa. Uma vez que você esteja no patamar, o número real se tornará evidente. Este será o número de Fãs Verdadeiros que funciona para você. Minha fórmula pode estar longe de uma ordem de magnitude, mas mesmo assim, é bem menos que um milhão.

Eu estive pesquisando a literatura para qualquer referência para o número de Fãs Verdadeiros. Carl Steadman, co-fundador do Suck.com, tem uma teoria sobre microcelebridades. Por sua conta, uma microcelebridade é alguém famoso para 1500 pessoas. Como citado por Danny O’Brien, “uma pessoa em cada cidade britânica gosta de sua estúpida tira on-line”. É o suficiente para mantê-lo com cerveja (ou vendas de camiseta) todo o ano”.

Outros chamam o suporte a microcelebridades de micro patrocínio ou suporte distribuído.

Em 1999, John Kelsey e Bruce Schneieir publicaram um modelo para isto em Fisrt Monday, um jornal on-line. Eles chamaram de Protocolo do Perfomista de Rua.

Usando a lógica do perfomista de rua, o autor vai diretamente aos leitores antes do livro ser publicado; talvez antes mesmo de ser escrito. O autor ignora o editor e faz um anúncio público na ordem de: “Quando eu tiver $ 100.000 em doações, eu irei lançar a próxima novela nesta série”.

Leitores podem ir ao webiste do autor, verem quanto dinheiro já foi doado, e darem dinheiropara fazer o lançamento da novela. Note que o autor não se importa quem paga o próximo capítulo, nem mesmo se importa quantas pessoas lêem o livro que não pagaram por isso. Eles apenas se importa se os $ 100.000 foram atingidos. Quando isso acontece, ele publica o próximo livro. Neste caso, “publicar” simplesmente significa “deixar disponível”, não “impresso e distibuído em livrarias”. O livro é tornado disponível, sem custos, a todos: aqueles que pagaram e aqueles que não pagaram.


Em 2004, o autor Lawrence Watt Evan usou este modelo para publicar sua mais recente novela. Ele pediu a seus fãs que pagassem coletivamente $ 100, ele então postaria o próximo capítulo da novela. O livro inteiro foi publicado por seus Fãs Verdadeiros, e então depois, por seus fãs. Ele está agora escrevendo uma segunda novela desta forma. Ele estima ter aproximadamente 200 Fãs Verdadeiros porque ele também publica da maneira tradicional – com as vantagens de uma editora suportada por centenas de Fãs Menores. Outros autores que usaram fãs para diretamente suportar seu trabalho foram Diane Duane, Sharon Lee e Steve Miller, e Don Sakers. O game designer Greg Stolze usou um modelo similar para lançar dois jogos pré-financiados, metade de seus Fãs Verdadeiros enviaram dinheiro para cobrir os custos de desenvolvimento.

A genialidade do modelo de Fãs Verdadeiros é que os fãs ficam aptos a mover um artista da margem da cauda longa para um degrau maior do que seus números indicam. Eles podem fazer isso de três formas, ao comprar mais de um item por pessoa, ao gastar mais diretamente assim o criador ganha mais por venda e ao criar novos modelos de suporte.

Novos modelos de suporte incluem micro patrocínio. Outro modelo é o custo inicial pré-financiado. A tecnologia digital permite que o suporte dos fãs tomem várias formas. Fundable é uma empresa baseada em web, na qual permite qualquer um a juntar uma quantidade fixa de dinheiro para um projeto, enquanto assegura que os investidores que o projeto irá acontecer. Fundable guarda o dinheiro até a quantidade completa é coletada. Eles retornam o dinheiro se o mínimo não é atingido.

Aqui um exmplo retirado do site da Fundabel:

Amelia, uma cantora soprano clássica de vinte anos, pré-vende seu primeiro CD antes de entrar em um estúdio de gravação. “Se eu conseguir $ 400 em pré-vendas, estarei apta a arcar com o resto (dos custos do estúdio)”, ela diz aos potenciais compradores. O modelo tudo-ou-nada da Fundabel assegura que nenhum de seus compradores perca dinheiro se ela falhar em atingir o objetivo. Amelia vendeu $ 940 em álbuns.


Mil dólares não manteriam mesmo um artista da fome, mas com séria atenção, um artista dedicado pode fazer melhor com seus Fãs Verdadeiros. Jill Sobule, uma musicista que tem lidado com um grande grupo que a acompanha através dos anos de turnês e gravações, está fazendo bem contando com seus fãs para financiar os $ 75.000 dos custos de gravação profissional que ela precisa para seu próximo álbum. Ela conseguiu chegar perto de $ 50.000 até agora. Por suportá-la diretamente via patrocínio, os fãs ganham intimidade com a artista. De acordo com a Associate Press:

Compradores podem escolher um nível de suporte, indo de $ 10 “rocha não afiada”, que ganha o download digital do disco quando pronto, até $ 10.000 “conjunto de armas de plutônio”, onde ela promete “Você virá aqui e cantará no meu CD. Não se preocupe se você não sabe cantar – nós podemos consertar isso no final”. Por $ 5.000 Sobule diz que irá realizar um show na casa do doador. Os níveis menores são os mais populares, onde ganham coisas como uma cópia melhor do CD, menção nas notas de produção e camisetas os identificando como “produtores executivos júnior” do CD.


A alternativa usual de fazer uma vida baseada em Fãs Verdadeiros é a pobreza.Um estudo de 1995 mostrou que o preço de aceitar ser um artista era alto. A sociologista Ruth Towse entrevistou artistas na Grã Bretanha e determinou que a média que ganhavam estava entre os níveis de subsistência.

Estou sugerindo um lugar para criativos entre a pobreza e o estrelato. Em algum lugar mais baixo que a estratosfera dos mais vendidos, mas maior que a obscuridade da cauda longa. Eu não sei se o verdadeiro número está correto, mas acho que um artista dedicado poderia cultivar 1000 Fãs Verdadeiros, e por seu suporte, usando novas tecnologias, ter uma vida honesta. Eu amaria ouvir relatos de alguém que conseguiu atingir tal caminho.


Esta é uma adaptação de um texto de Kevin Kelly, no blog Technium sobre artistas e renda em tempos de internet e cauda longa. Esta tradução é autorizada pelo autor que disponibiliza seu conteúdo em uma licença Creative Commons.
Avatar do usuário
cadusimoes
Site Admin
 
Mensagens: 48
Registrado em: Qua Fev 24, 2010 06:20
Localização: Osasco City

Re: Sobre Produção Independente e o Uso Produtivo da Internet

Mensagempor Inteligivel » Qua Out 20, 2010 04:30

Muito bom o texto, Cadu!

Legal ver que é possivel trilhar um caminho que é totalmente independente de editora ou do mercado convencional.

O artista hoje está mais parecido com o artista do do passado, da era antes da comunicação de massa: o cara que se apresentava e passava o chapéu logo em seguida (no caso, passando o chapéu para depois se apresentar).

:D
Avatar do usuário
Inteligivel
 
Mensagens: 9
Registrado em: Dom Jun 27, 2010 12:44
Localização: SP/SP


Voltar para Ciberespaço

Quem está online

Usuários navegando neste fórum: Nenhum usuário registrado e 0 visitantes