E chagamos ao final do Capítulo 10, com uma baita reviravolta. Vocês não perdem por esperar: os próximos capítulos serão importantíssimos pra jornada do nosso Garoto.

Vai ter Blues. E vai ter vida.

De presente pra vocês, que tal uma olhada mais de perto do último quadro (a imagem é grande, pode levar um tempinho pra carregar)?

Último quadro

Todos os quadros finais das páginas deste capítulo foram feitos em papel kraft, usando lápis 4B, 6B, carvão, lápis de cor branco e caneta Posca. Nossa ideia era mostrar um pouco da rotina dos escravos, não necessariamente americanos. O nascimento do blues está ligado intimamente ao sofrimento dos negros nessa época horrível. Nesta cena, temos um homem tocando e cantando enquanto os outros dançam e descansam.

No Brasil, o samba tem uma origem semelhante, como bem apontada pelo nosso amigo Alan Guedes hoje mesmo, pelo Twitter. Podemos dizer que o samba é o nosso blues…?

Além disso, todas as cenas juntas formariam um “travelling” imenso (movimento de câmera onde a mesma anda sobre um tipo de trilho pelo cenário, diferente de uma panorâmica, onde ela gira em torno de um eixo). Sua sequência também conta uma história paralela. Vocês perceberam o garotinho negro, o feitor, a garotinha branca e o blueseiro ao longo das páginas? Não? Então voltem e leiam de novo! ;)

De presente para vocês, então, a montagem completa! Nem sempre as perspectivas do cenário casam de uma cena pra outra, justamente pelo movimento da “câmera”. Se fosse uma panorâmica, haveria uma distorção grande da perspectiva, por isso preferi mantê-la “normal” de acordo com o movimento da “câmera” (quantas aspas!) (de novo, a imagem é bem grande!)

Montagem inteira

Nossa próxima página será a já tradicional transição, um epílogo pra esse capítulo tão poderoso. E logo vem o Capítulo 11. Fiquem ligados!